quinta-feira, 24 de julho de 2014

Mega Artesanal 2014

Ontem 23/07/2014, fomos eu e minha mãe para a Mega ArtesanalFomos de caravana com o pessoal do "Café com Fuxico" e acompanhadas pelas alunas Vânia e Gaby.Saímos cedinho de casa e chegamos no Espaço Imigrantes às 9 e pouquinho.Enquanto esperávamos abrir, contamos com a alegria e animação do Rogério Chiaravalli do Programa Arte Brasil e ouvimos o Hino Nacional.
Entramos e aquele entusiasmo nos enchia, porque estávamos com muitas expectativas



Notei que este ano a disposição da feira estava invertida, a praça de alimentação e os expositores "menores" estavam no início e as "grandes empresas" estavam mais ao fundo.

Fomos olhando e quanta coisa linda, é muito gostoso ver que tem muita gente empenhada em fazer o artesanato continuar vivo e valorizado.
Em cada stand o carinho expressado em arte, tudo feito com as mãos e com o coração.
Tudo que eu via lá, ligava pro meu marido pra contar.
Ah e ele estava super ansioso, porque eu ia encontrar com a Margaret.
A Margaret é uma querida da Divitae.
A Divitae é um site que hospeda lojas virtuais e eu estou lá (veja clicando aqui)

Encontrei com ela lá pelas 14:30 e foi muito legal.
Apesar de o wi-fii da feira não ajudar e a internet do meu celular também não (risos).
Mas foi só alegria e flashs hehe
E ainda conheci o Achiles e a querida Fátima.


Tiveram muitos pontos altos e eu gostei muito da feira.
Mas também tiveram alguns pontos negativos.
Os materiais à venda estavam muito caros, fora da realidade a que estamos acostumados.
Então nem deu pra comprar muita coisa.
Outra coisa que notei também foi que em termos de biscuit estava bem fraco, tinha poucas coisas expostas.
Acredito que porque no ano passado os bolos cenográficos estavam muito mais em alta do que este ano.
Mas o que tinha era maravilhoso.
E quero destacar as peças que eu fotografei do stand da "Néia Silveira Imaginação e Arte".
Simplesmente perfeitas, este gato na gaiola, perfeitinho. Muito criativo.

Os bolos que eu fotografei não me recordo o nome do stand onde vi, mas se alguém souber, eu coloco o nome aqui.
O artista que está fazendo a rosa na primeira foto também não lembro.

Meu dia foi maravilhoso e eu não poderia deixar de lembrar do coração que ganhei da Margaret e que ela espalhou por lá, corações da campanha "Espalhe Amor por aí" (conheça clicando aqui), e nem preciso dizer o quanto eu fiquei feliz né?


E você? Visitou a Mega Artesanal ou vai visitar? Nos conte sua experiência.

Deus te abençoe
Até a próxima.
Beijinhos da Tati



terça-feira, 15 de julho de 2014

Minhas fotos sem marca d'água


Volta e meia eu encontro alguém em lojas virtuais ou outros meios divulgando meus produtos como se fossem delas.
Pois bem, sempre que posso entro em contato com a administração das lojas para reclamar.
No entanto, uma prática que eu não tenho é de usar marca d'água nas minhas fotos.
Teve um tempo que até usei.
E você pode até me achar preguiçosa por não parar um pouquinho para editar minhas fotos.
Mas de verdade mesmo eu prefiro que as minhas fotos sejam o mais limpas possível, para que o cliente veja todos os detalhes necessários.

Então, você comprador, o que precisa saber antes de encomendar um produto artesanal?
  • As fotos podem ser copiadas, porém, trabalhos manuais nunca ficam iguais quando feitos por pessoas diferentes. Principalmente quando feitos com biscuit, a modelagem é única, como uma impressão digital.

  • Observe todas as fotos da loja, veja se tem mais produtos de mesmo tema, se as características são as mesmas, as cores utilizadas, os detalhes, entre outros.
  • Antes de fechar uma encomenda pergunte, converse com o vendedor para ver se ele te responde com os detalhes necessários e se estes detalhes são os mesmos da foto que você está vendo.
  • Procure nas redes sociais, blogs, página no Facebook, veja se o que está sendo oferecido é realmente feito por quem oferece.

E assim sim, feche sua encomenda.

Eu acredito que existem pessoas que trabalham direitinho e que não estão "dando o golpe" quando copiam uma foto.
Mas eu sei que o trabalho não ficará igual.

Todo mundo sabe que eu não ligo de copiarem minhas peças, eu só não gosto que copiem fotos, porque parte de um engano, o cliente não receberá aquele produto e sim um similar (se receber).
Pode ser que agrade e pode ser que não.
Por este motivo, o legal, é conhecer o trabalho de um artesão antes de fechar com ele.


TODAS AS FOTOS VEICULADAS PELA "TATI MERINO BISCUIT" EM TODOS OS SEUS MEIOS DE DIVULGAÇÃO SÃO DE PRODUTOS EXECUTADOS POR "TATIANA MERINO DOS SANTOS" E SUA EQUIPE, SALVO, IMAGENS COM AUTORIZAÇÃO E CRÉDITOS DEVIDOS.

Visite minhas lojas e minha página no Facebook

Divitae
http://tatimerinobiscuit.divitae.com.br/home

Elo7
http://www.elo7.com.br/tatimerinobiscuit

Facebook
https://www.facebook.com/tatimerinobiscuitearte











segunda-feira, 30 de junho de 2014

O poder da barganha

Hoje cedo algo me atraiu para uma página de uma senhora que faz crochê
A foto tinha muitas curtidas e o trabalho é realmente lindo.
Não me perguntem, porque não sei nem o nome da pessoa.
Mas na foto que ela postou, o lugar em volta, era bem simples e isso me fez pensar muito.
Agora, com algumas coisas que ocorreram nessa manhã, comecei a pensar mais ainda sobre a questão.
O artesanato é algo tão rico, tão meticuloso, tão exclusivo, mas ainda é o trabalho menos valorizado.
Ninguém mede esforço para comprar uma TV de 32 a 50 polegadas
Ninguém economiza na hora de priorizar a tecnologia.
Mas quando se fala em arte, em coisas feitas em quantidade grande, pronto!
Tem que ter desconto, tem que ser mais barato, etc e tal.
Pois é, quantas Tvs podem ser feitas em um dia numa indústria?
Mas quantos tapetes lindos de crochê são produzidos por apenas duas mãos.
Você já parou pra pensar que um trabalho artesanal deveria ser muito mais caro do que um produto industralizado? E que as artesãs deveriam ser muito mais bem remuneradas?
Afinal, são horas e as vezes dias para que um trabalho seja finalizado.
Existe uma dedicação imensa em se aperfeiçoar e conhecer novas tendências, mas não tem valor.
O cliente quer comparar as vezes com artigos que vêm da China.
E um preço de um produto artesanal não é calculado pelo valor da matéria prima, porque na maioria das vezes é muito barato.
O valor está na arte, na exclusividade, no carinho e dedicação, no tempo gasto e principalmente no diferencial de ser um produto feito a mão.
Quando você for optar por comprar um produto, avalie se realmente quer comprar um produto pelo seu valor.
Se este não for o principal motivo, está cheio de Ching Ling por aí

Me perdoem o desabafo, mas estou farta de ver como algumas pessoas lidam com determinadas situações.